bibliografia
Acervo
Salões
exposições do pintor
Acervo
obras do pintor

BIOGRAFIA DO PINTOR


Retrato  do pintor assinado pelo seu saudoso amigo Herculano Campos

QUINTÃO/José Romualdo

Nasceu no ano de 1933, na cidade de CALAMBAU* (Minas Gerais). É autodidata, embora tenha feito nos meados de 1950 o vestibular para Universidade Mineira de Arte, que freqüentou por quatro meses, montando a seguir um atelier com Luiz Azevedo e Maurício Janot Pacheco.

Em 1959 matriculou-se na Escola Guignard e, dias depois, por ter faltado à  três aulas seguidas, levou uma admoestação da Professora de Gravura Yara Tupinambá, hoje sua amiga, e parou de freqüentar a escola.


Rodelnégio Gonçalves e Mari'Stela Tristão

Seu descobrimento pela jornalista e crítica de Arte do jornal "Estado de Minas", foi um acaso.Era famoso o tiro ao alvo do pintor primitivo Rodelnégio Gonçalves, na esquina da Av. Amazonas com a rua São Paulo, em Belo Horizonte (MG),que além de dirigir a casa lá expunha os seus quadros. Quintão,uma tarde, passando pelo tiro ao alvo, viu as telas de Rodelnégio, gostou dos trabalhos alí expostos e quis conhecer o autor, que o convidou para, também, expor suas telas naquele local. Foi quando Mari'Stela Tristão praticamente os conheceu e os lançou:" ela foi a minha fada madrinha", assim se expressa, com gratidão, o pintor quando o nome dela é lembrado. A partir deste momento a dupla Quintão e Rodelnégio passou a ser conhecida nos meios artísticos de Minas e em outros estados. O pintor reside em Belo Horizonte, Capital do Estado de Minas, desde 1954 e o seu atelier atualmente está localizado no bucólico Condomínio Canto das Águas, localizado no município de Rio Acima (MG), que integra a APASUL (ASSOCIAÇÃO DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO SUL DA GRANDE BELO HORIZONTE). Em Rio Acima (MG) é Presidente do Conselho Fiscal da Associação Rio Acima/Natureza Viva, que visa a recuperação do homem e da preservação de seu  belo entorno, com mais de oitenta cachoeiras e duzentas e cinqüenta nascentes.

*Calambau tem a sua história ligada aos bandeirantes paulistas ,que no século XVIII vieram à cata do ouro nas Minas Gerais.Trata-se de um nome indÍgena, dado pelos que habitavam à região e cuja origem vem de Kalam Ambava:"O mato é ralo e/ou onde o rio faz curva"- Infelizmente, na sua emancipação,mudaram-lhe o nome e o pintor recusa a nomeá-lo, porque é contra à mudança de topônimos seculares por nomes de políticos ou de qualquer pessoa, não se importando com a sua condição de homem ilustre ou não,em detrimento ao original, porque isto desmerece a história da fundação de qualquer urbe"Esta cidade fica localizada na Zona da Mata de Minas Gerais.


Quintão ladeado pelos seus amigos:o pintor Inimá de Paula e o jornalista Teodoro Chiquilof


Pintora Beatriz Abi-Acl, Luciana       e o seu esposo Carlos Percktold, colecionador e critico de arte, e Quintão

 

José Pedrosa, na homenagem  que lhe foi prestada no local       de nascimento do reconhecido escultor e aonde foi implantado    o Condomínio Canto as Águas,  Rio Acima (MG). Por sugestão    do pintor Quintão,o seu espaço  cultural recebeu o nome do ESCULTOR JOSÉ PEDROSA" .

 

Ao centro o escultor Franz Weissmann, tendo ao seu lado o pintor Quintão e a Sra. Janete Koogan, esposa do saudoso colecionador Samuel Koogan.


Quintão  tendo ao seu lado Mari'Stela Tristão e o divulgador cultural Palhano Junior, que promoveu a primeira exposição individual do pintor.

     A esquerda  o pintor Quintão e a sua filha Rosana, arquiteta urbanista, tendo ao seu lado o colega Rodelnégio Gonçalves  sobraçando a sua neta Mariana, que segue os passos do avô.  

No momento em que o neo-realismo busca interpretar a realidade nua e crua mos trando a angústia e o desespero em que se debate a civilização atormentada, Quintão propõe o relax, resumindo toda expressividade de sua arte primitivamente  pura no equilíbrio entre o sonho e uma realidade que apesar de tudo ainda existe."

(MARI'STELA TRISTÃO)

 

"Apesar de seus progressos técnicos e novos conhecimentos, Quintão continua alheio aos novos problemas atuais, para os quais somos todos nós impedidos ou questionados. A sociedade industrial a comunicação em massa e a técnica esmagadora não o sufocou. Tem ainda o dom juvenil de crer no que lhe foi contado ou de retratar sua vivência de criança. Acrescente-se ainda que Quintão é um excelente documentarista da nossa vida rural." SÉRGIO MALDONADO-(Professor de História e Crítico de Arte

"Quintão talvez nem saiba explicar direito a razão de seu chamamento. Ele só sabe que uma ânsia interior o terá levado para a pintura. E ele registra sua percepção do mundo. Percepção seria a apreensão sensorial de um complexo de dados sensíveis, no sentido global. Na velha psicologia atomista a percepção foi interpretada como sendo um produto complexo, reunião de mosaicos, partindo-se de sensações elementares, ao passo que, de acordo com os modernos pontos de vista relativos à totalidade psíquica, a percepção seria tão somente o ato primitivo. Em seguida é que se faz a decomposição dos elementos. Parece complicado o que estou dizendo, mas é simples: Quintão não regula bem da cabeça porque, apesar da miséria e da corrupção,consegue pintar o lado alegre da vida!." (Manoel Lobato - Escritor e redator do Jornal Minas Gerais)

página principal Pintores Naifs de Todo Mundo